domingo, novembro 04, 2012

Os bananas do poder…a refundação… e o Km 27 da maratona

(imagem da net)

  Há alguns dias, na Assembleia da República, todos os deputados da coligação parlamentar (PSD/CDS), juntamente com o governo e convidados dos partidos, encheram os quase 250 lugares do hemiciclo para realizarem uma jornada de trabalho político conjunto. Tratou-se de um mise-en-scène para novo encontro em S. Bento, com finalidade de aprovar o veredicto final de uma “fatwa” governamental sobre o povo português.

Nesse primeiro encontro dos “g2 da nossa desgraça” (obviamente com minúsculas, pois de minúsculos se fala), algumas declarações produzidas pelos bananas ali presentes, elucidou-nos essencialmente do que nos espera. Um desses bananas falou da "refundação" do programa de ajustamento (?!...e já cá estava alguém do FMI a tratar dessa marosca, mas só o silêncio deles conhecia tal facto); o maior banana dissertava sobre uma corrida de maratona e do quilómetro 27 (raio de número que, “noves fora”, dá o valor dos bananas - zero); outro sublinhou que o governo tem "rações de combate" para mais uma legislatura (que se cuide, pois qualquer dia os militares mostram-lhe os dentes e a ração de combate será esse próprio banana); alguém salientou a necessidade de serem "referências" (que raio de exemplos!…), pois sem isso, "dificilmente os portugueses aceitarão sacrifícios". Enfim, foi o encontro da treta, do “engana e papa meninos”.

(imagem da net)

“Convidaram” o PS, para “refundação” do memorando, ou seja, para uma reforma do Estado (social, claro) cujo sufoco, já está muito acima dos limites suportáveis.
Nos discursos inflamados dos actuais governantes, grita-se aos quatro ventos que o PS foi quem chamou a “troika”. No entanto não explicam, no mesmo tom, o que, e quem precipitou essa assinatura. Parecem lançar ao esquecimento que eles próprios assinaram esse memorando, prevendo até que seriam eleitos nas legislativas que se seguiram. Foi um acto de três partidos e não de um só, como pretendem deixar transparecer. No entanto, não explicam o que todos sabemos, ou seja, que a gestão desse memorando tem sido apenas a dois, tendo o terceiro assinante sido “absolutamente” afastado para fora da “casinha”. Não tem qualquer interferência na “desarrumação” dessa “casinha”, estando cá fora, juntamente com todos os que foram marginalizados. Mas agora, os “g2 da desarrumação”, vendo a “casinha” cada vez mais desarrumada, preparavam uma cilada ao terceiro assinante (que não remexeu um tareco durante este período de vigência do desfigurado” memorando”) convidando-o a “refundar” um programa que permitisse “(des)arrumar” muito mais a “casinha”, mas sem que entrassem lá para dentro, entenda-se. Bem, isto seria uma forma de os conotar e corresponsabilizar com novas “(des)arrumações”, para que pudessem continuar a ter um bode expiatório, num futuro próximo, já que as mudanças de timoneiro se adivinham. Denota também uma real incapacidade de governar a casinha “a dois”, embora já tenha lá dentro alguns “troikanos” a gerir soberania alheia. Razão para apelidar estes g2 de autêntico fiasco e traidores da nossa Pátria, entregando o ouro ao bandido, e tentando arrastar o terceiro assinante do memorando para conivência neste derradeiro acto de alta traição e extermínio da Pátria.
Eufemisticamente direi que não se tratou de convite, mas de uma armadilha. Ainda bem que os socialistas já aprenderam a lição e não se deixaram enlear pela famélica voracidade destes bananas.
                                                  (imagem da net)
Ainda no quilómetro 27 da maratona?!... Não achará esse vampiresco banana, que a enorme maioria dos concorrentes já denotam sinais de exaustão, com excesso de "ácido láctico" e dispneia intensa, face ao “colossal esforço” exigido? Tudo é demasiado evidente, no quotidiano dos pobres “maratonistas”, bastando estar atento aos movimentos dos últimos tempos, à miséria que grassa, ao descontentamento global. Só os bananas não querem ver estes sinais. Não reparam nos múltiplos comentários televisivos e radiofónicos, vozes de analistas e conhecedores dos dramas actuais que se manifestam, maioritariamente, contra esta política ultraliberal, subserviente e recessiva. Até muitos dos que militam nos mesmos clubes partidários se pronunciam, abertamente, contra tais políticas suicidas e autofágicas.
Grassa na mentalidade destes bananas um fanatismo ideológico e uma verdadeira incapacidade de lidar com a realidade". Será que ainda se sentem os legítimos representantes da maioria, quando uma mais avassaladora maioria se manifesta descontente na praça pública? Onde reside a sua legitimidade?… bastava um referendo a essa pressuposta legitimidade e os bananas escorregariam nas suas próprias “cascas”.
Traíram as suas promessas e nunca ninguém, em tempo tão curto, mentiu tanto como Passos Coelho que já consegue ser o bobo do Youtube, tantos são os vídeos que clamam os seus dotes de verdadeiro Pinóquio. Afinal quem é o Pinóquio?...

Recentemente, Manuel Alegre avisou: "isso dos brandos costumes é uma treta. De vez em quando este País passa-se". Perante um comprometedor silêncio do Presidente da República, não me espantará que grande turbulência se aproxime. A impunidade deverá ser palavra morta e que nenhum culpado se considere imune.

Hoje todos sabemos que, na generalidade, o OE2013 passou, à custa dos g2, mas com muita contestação e deglutição de sapos vivos. Quantos bananas daquela Assembleia não terão maldito a imposição da disciplina partidária. Em suas casas, contestados ou não por familiares, devem gritar de raiva por serem membros subservientes de grupos partidários suicidas.
Agora, na especialidade, também ficarão calados, inundados de ódio interior, mas engolindo aqueles imundos batráquios que ajudaram a criar e a alimentar.
Hão-de penar até dizer basta! Embora não me rindo da sua desdita, hei-de maldizer-lhes a covardia e falta de hombridade.