terça-feira, fevereiro 19, 2013

o rei vai nu...




Em 26 Setembro de 2006 escrevi este pequeno post noutro blogue que mantenho mas num silêncio sepulcral. Não o fechei, mas ... deixei-o quase secar de aridez de escrita. Hoje, após o reler, lembrei-me de trazê-lo blogue, 

"Aqui sempre houve gato, mas a luz evitou que fosse denunciado pelo rabo de fora. Quando as coisas são claras, nada as poderá ocultar, a menos que sejam tão claras que se tornem transparentes e invisíveis, como certos acontecimentos do nosso dia a dia que, de tanta clareza, nem se vêem. Tanto faz ser na política como nos eventos sociais e religiosos. Até parece a história daquele reino em que o rei ia nú, mas os inteligentes até o viam bem vestido e ataviado...mas há sempre um inocente, criança ou não, que na sua infantil candura e ignorância das imposições sociais grita as verdades que vê.
No nosso reino também parecem abundantes os nús e mal vestidos que tentam deitar terra para os olhos do Povo. Mas este parece que cada vez tem a visão algo mais apurada e consegue discernir entre nudez e boas vestes. Afinal nem todos os ensaios são de cegueira.
Parece que o pessoal está a abrir os olhos para a nossa realidade. A riqueza e a pobreza continuam a caminhar no sentido único da agudização, ou seja, os ricos continuam a ficar cada vez mais ricos, assim como os pobres continuam a ficar cada vez mais pobres. Porquê? Só não vê quem é cego, e de cegueira partilhada e displicente já basta. É preciso despertar a ousadia dos cérebros anquilosados pela ignorância de meio século salazarento, logo seguido pela opressão pseudo-democrata de mais trinta anos de riqueza a correr para o lago dos políticos oportunistas, inaptos, ignorantes e saqueadores do tesouro nacional e das benesses da UE. Trinta desastrados anos de governos sem rumo, sem disciplina económica, sem gestão justa e igualitária... enfim, um bando de usurários e delapidadores dos nossos dinheiros.
E agora? Que fazem os actuais gestores deste País?
Tudo o que se está a ver. Assistimos, impávidos, sem participação colectiva, à destruição da Educação, da Saúde, da classe baixa de funcionários públicos, etc. Mas a pesada máquina política continua a usufruir de mordomias e direitos que não merece, nem tem direito a usufruir perante tanta pobreza e desgraça nacional.
Será que estamos todos cegos?
Será que o Rei vai mesmo nu?"



Acho que há seis anos atrás já as coisas não seriam muito diferentes, embora hoje o monstro se tenha tornado mais voraz e horripilante. O povo que o diga, já que o sente, mas "quem não se sente não é boa gente", lá diz o dichote.

2 comentários:

Um Jeito Manso disse...

Gostei de ler. Os gatinhos tão lindos, tão inocentes, até parecem deslocados no meio de um retrato tão cru mas tão objectivo e verdadeiro.

Outro blogue...? Não sabia... Secreto? Fiquei cheia de curiosidade.

dbo disse...

Sim, gosto de gatos, tenho vários em casa, pois a minha neta, tal como os meus filhos, são doidos pelos bichanos.
Sim UJM, outro blogue que foi o primeiro de todos, e no "Sapo". Pouco uso, quase nenhum, lhe dou, mas espero, quando tiver mais vagar, reactivá-lo com "posts" mais poéticos, quase como o seu Ginjal que adoro ler.