terça-feira, agosto 07, 2012

Relembrar... poemas do meu baú


Embora não esteja propriamente em gozo de férias, que inicio na próxima semana, voltei às cinzas do meu baú e retirei os dois poemas, ainda escritos antes do 25/Abril. O primeiro foi, e volta a ser, dedicado à minha esposa, na altura namorada. O segundo é dedicado a todos os explorados deste mundo que vêem volatilizar-se, sem retorno, as poucas migalhas que ainda têm.


AMO-TE ASSIM

Amo-te, assim,
em laivos de fome,
mulher sem fim,
seiva do meu nome.

Amo-te, em força,
anjo de candura.
Sou gamo...és corça...
Somos a ternura.

Amo-te, alor
dos beijos perdidos,
viçosa flor,
néctar dos sentidos.

Amo-te, aurora
das minhas manhãs,
sumo de amora,
rubor de maçãs.

Amo-te, auréola
de sonhos felizes,
grácil alvéola
nimbando raízes.

Amo-te, amor,
princípio e fim...
Sangue e calor
por dentro de mim.
(in Jornal das Aves, 06/04/74)


(imagem da net)

EI-LO QUE AVANÇA

Ei-lo que avança...
Lua nos olhos,
lábios em dança,
cérebro aos folhos.

Traz mil canções
na cárie dos dentes
- gritos e orações
aos deuses cadentes.

Trinca o cigarro
nos lábios crestados,
segura o catarro
nos dentes cariados.

Urtigas, no peito,
cobrem cicatrizes
dum sonho, desfeito
entre meretrizes.

Traça, sem giz,
no tempo em dança,
o esboço-raíz
dum sonho-esperança.

A lua dos olhos
perde o seu brilho,
entre os escolhos.
Não deixa rastilho.

Seu sonho desfeito
é vento à deriva
- dilema, preceito,
antraz, chaga viva.

Seu sonho-esperança
esvai-se em lume,
torna-se dança
dum saco de estrume.

Ei-lo que avança...
É Rei deposto,
sem ceptro, sem lança,
com lama no rosto.

(in Jornal das Aves, 09/03/74)


Sem comentários: